Perdoai os que reclamam

Conviver com alguém que reclama demais não é nada fácil. Uma pessoa que enxerga problemas em tudo, que vive insatisfeita e mal humorada é um teste de paciência para quem está por perto. Ainda bem que paciência, bem como outros sentimentos nobres como empatia e compaixão, tem limites. Esses limites são úteis pois estabelecem uma zona de segurança contra o negativismo do chato que reclama. Afastar-se é outra opção tentadora. Mas qualquer atitude para defender-se do rabugento será interpretada por ele como falta de amor, deslealdade e até traição. E mais reclamações, queixas e críticas serão proferidas contra você, que tenta apenas salvar o próprio dia. Reclamar demais é uma atitude composta por uma pitada de egoismo, duas de confusão e três de dor. Acredite, quem muito se queixa está num estado de sofrimento, mesmo que não tenha consciência disso e o ato de reclamar é um jeito de desabafar. Alguns passam a vida reclamando e criticando, o que pode indicar uma doença crônica na alma, outros desenvolvem esse comportamento diante de um acontecimento angustiante e que não foi bem aceito. Estou vivendo um momento assim. Numa agradável manhã de sábado em São Paulo, uma caminhada foi interrompida num desnível imperceptível de uma calçada, que ocasiou uma torção de pé, e resultou numa fratura de tornozelo com rompimento de ligamentos. Simples assim, bobo assim. E já se vão 30 dias de fisioterapia, muletas, andador, o pé esquerdo sem tocar o chão e a rotina interrompida. E talvez venham outros 30 dias assim, ou mais, tudo dependerá do potencial curativo de meu corpo. Essa experiência me transformou na pessoa mais chata e reclamona que conheço. E mal humorada e baixo astral. Meus amigos me dizem : “mas você é muito mole, é apenas um pé quebrado !!” E eu explico que não foi o pé, foi o tornozelo e os ligamentos e que não posso andar etc. Na verdade, eu parei de dar explicações porque não vale a pena focar energia no problema. Simplesmente dou de ombros e admito :’sou mole sim’. E em seguida penso : ‘Rogério, será que é prá tanto mesmo ? Esse tipo de coisa acontece com muita gente o tempo todo e logo estará tudo bem. Pense em quem está passando por problemas realmente graves !’ Então sinto uma certa culpa, respiro profundamente  e tento me reequilibrar emocionalmente.  Mesmo estudando há muitos anos as ferramentas de cura espiritual, o poder dos pensamentos e a força das emoções, mesmo sabendo que a aceitação, o perdão e a gratidão são capazes de criar milagres, admito que conheci agora um lado frágil do meu ser. E talvez essa seja uma das lições desse acontecimento. Reconhecer a nossa vulnerabilidade nos faz mais humanos. Uma parada forçada na rotina nos oferece o tempo necessário para refletir sobre a própria vida. E entre dúvidas, dores e novas visões acontece um crescimento pessoal e espiritual. Resistir aos fatos é inútil e nos coloca no papel de vítimas, por outro lado, acolher com gratidão as coisas boas e as nem tão boas, nos liberta. Eu acredito que tudo que acontece tem um significado, e que a gente atrai todas as nossas experiências através do que pensamos,falamos, sentimos e acreditamos. Eu sou o único responsável por tudo que se manifesta em minha vida, e isso não é maldição, é benção. O que aconteceu naquela agradável manhã de sábado foi para o meu bem. Olhar com amor para o que vivenciamos é transformador. Posso ter ficado mais chato e reclamão diante de tudo isso, mas sei que estou mais consciente.

Preste atenção aos sinais

Quando sofremos uma traição ou um golpe inesperado, dizemos que fomos muito ingênuos, bonzinhos e confiamos demais. Pode ser. Mas o maior erro que talvez tenhamos cometido foi o de não prestar atenção aos sinais. Temos a tendência de não olhar para o que pode causar alguma dor, fingimos que não é com a gente, entramos em estado de negação. No relacionamento, quando o outro se afasta julgamos ser algo normal, mesmo que o distanciamento perdure. No trabalho, tentamos minimizar o fato de estarmos sendo humilhados, deixados de lado nas atividades e sendo alvo de fofocas. Quando um filho não assume responsabilidades básicas e demonstra total falta de respeito por regras e pessoas, justificamos como sendo características da idade. Quando surge uma dor física ou outro tipo de desconforto, analisamos como sintomas sem importância, talvez resultados do stress. Não consideramos que o pior possa acontecer. Mas pode. O distanciamento do parceiro talvez signifique que a relação acabou, a situação na empresa pode indicar uma demissão, o filho pode estar usando drogas e você pode estar perto de um infarto fulminante. Fechar os olhos para as situações não impede que o pior aconteça. Quando prestamos atenção aos sinais, podemos corrigir uma trajetória à tempo, fazendo ajustes em nossas atitudes e maneira de pensar. Assim, talvez seja possível não perder o controle sobre uma situação. Prestar atenção aos sinais também nos motiva à conceber um plano B, uma opção no caso de um cenário em nossa vida mudar drásticamente. Temos a chance de nos preparar para o pior. Portanto, à partir de hoje, preste atenção aos sinais. Reflita sobre a sua vida. Olhe com coragem para as situações. Escute o seu coração. Assim você deixará de ser vítima em muitas armadilhas. Considerar os sinais é um importante passo para viver com mais consciência e serenidade.

Cansou de tudo e quer uma vida diferente ?

Parece que 2012 chegou com algo diferente. O assunto que surge expontâneamente nas conversas é o desejo de mudanças. A impressão é que de uma forma geral as pessoas estão chegando aos seus limites, estão exaustas, e querem viver diferente. É a intenção de buscar um novo emprego, ou uma atividade que possa ser desenvolvida em paralelo com o trabalho atual. É a consciência de que se o relacionamento não oferece mais satisfação e perspectiva de futuro, é hora de tomar uma decisão, custe o que custar. Ou é a certeza de que chegou o momento de iniciar uma história com alguém especial. É a vontade de assumir uma nova postura com os filhos, para que esses aprendam à andar com as próprias pernas. É aquela determinação de apertar o botão ‘dane-se’ só prá ver o que acontece, sem medo nem culpas. Ninguém suporta mais chefes arrogantes, parceiros aproveitadores e gente folgada e egoista. E diferentemente de outros janeiros, a convicção é mais concreta, distante das promessas ingênuas e absurdamente otimistas que normalmente surgem nesse período apenas para serem esquecidas até o carnaval. Agora existe consciência nos anseios. Independentemente da idade e classe social, todo mundo quer uma vida mais plena. Esse 2012 trouxe algo novo. Você percebeu isso ? Tem desejado uma mudança significativa na forma de encarar a vida ? Se a resposta é afirmativa, siga em frente, o universo deve estar conspirando à favor dos que finalmente decidiram mudar, rumo à felicidade.