Quem responderá por 581 mortes ?

A manchete de hoje no Jornal da Cidade causa arrepios à qualquer cidadão e mostra o dantesco quadro da saúde em Bauru :”Em três anos e meio, 581 mortes na fila de espera por hospital”, leia aqui. A matéria da jornalista Tisa Moraes mostra que o Ministério Público Federal solicitou a instauração de inquérito policial para investigar as responsabilidades do poder público nessas mortes. O Procurador da República Pedro Antonio de Oliveira Machado solicitou à Polícia Civil a apuração da existência de crimes de homicídio culposo, omissão de socorro e maus tratos. Machado também pediu informações ao prefeito Rodrigo Agostinho, à Secretaria Municipal de Saúde, à Secretaria de Estado da Saúde e ao Ministério da Saúde sobre as providências que estão sendo tomadas para o enfrentamento do problema. O Procurador determinou que o município e o Estado forneçam certidões aos pacientes esclarecendo o porque do não atendimento e internação, bem como a divulgação dos nomes dos médicos que atuam nas unidades de saúde e a escala de trabalho de cada um deles. A prefeitura também deverá instalar ponto eletrônico de frequência para os servidores vinculados ao SUS. O quanto os esforços do Ministério Público Federal e do Procurador da República resultarão na melhoria do atendimento de saúde e do respeito aos direitos básicos do cidadão, precisaremos de tempo para avaliar. Até porque, os responsáveis pelo descalabro da saúde em Bauru tem recursos e argumentação de sobra para se defender, além do poder dos cargos que ocupam. De qualquer forma, a interferência da Justiça já é um alento, uma resposta à uma sociedade duplamente afligida e indignada : tanto pelo descaso na saúde como pela passividade e omissão dos seus gestores diante de tanto sofrimento. A esperança de que 581 mortes não passarão impunes sinaliza para um momento mais justo e humano na história dessa cidade em que vivemos e amamos.