Gestão da saúde em Bauru é calamidade pública

A assustadora situação da saúde em Bauru tem sido notícia nos meios de comunicação nos últimos meses, mas essas são notícias que alguns gestores públicos preferem ignorar. Quando confrontados por jornalistas e cidadãos à respeito do tema, praticam o conhecido e hipócrita jogo do empurra, eximindo-se de responsabilidades e jogando a culpa nas costas de outros. Muitas vezes nas costas dos próprios pacientes, como se alguém escolhesse ficar doente para enfrentar filas intermináveis no Pronto Socorro Central e nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). São absurdas algumas declarações feitas em passado recente de que “as pessoas procuram o P.S. Central sem necessidade e isso contribui para o caos no atendimento” ( sem necessidade ? será que alguém vai passear no Pronto Socorro porque não tem lugar melhor para ir ?!); “a população precisa entender que não existe dinheiro para resolver o problema” (nem dinheiro, nem vontade política, nem gestão criativa e muito menos respeito à vida, certo ?); “estamos elaborando um projeto para resolver esse problema no futuro, mas dependemos de ajuda dos governos estadual e federal, e contamos com a compreensão da população” (claro ! projetos que não se concretizam, recursos que nunca chegam e a população enquanto compreende tudo isso vai enterrando os seus mortos por falta de atendimento); “os médicos não querem trabalhar para o município” (querer eles querem, mas é preciso que o salário seja condizente com a profissão e o mercado). Em relação à essa última justificativa, importante ressaltar que o problema mais grave não é a falta de médicos, e sim a falta de leitos. As 518 mortes ocorridas nos corredores do Pronto Socorro de Bauru, no período de março de 2009 à julho de 2013, foram de pessoas que aguardavam vagas em hospitais. Agora o prefeito decretou estado de calamidade pública na assistência hospitalar de Bauru. O quanto isso resolverá as angústias da população, só o tempo dirá. É bom o cidadão manter os olhos abertos, bem abertos.