Você tem a força

O triste cenário econômico do país e os embates políticos são pautas diárias na imprensa. Se por um lado a informação é fundamental também é inevitável reconhecer que a energia negativa desses temas tem o poder de contaminar pensamentos, sentimentos e comportamentos. Já notou o baixo astral generalizado que paira sobre empresas, relacionamentos e nas ruas ? As conversas giram em torno dos mesmos assuntos : corrupção na política e falta de dinheiro, desemprego e desesperança. Sim, é preciso encarar a realidade mas o que eu quero propor é que, além de olhar para o que acontece no mundo à nossa volta, a gente se lembre de olhar também para o nosso mundo interior, fonte de toda paz e felicidade. Isso pode ser feito através de atitudes simples como por exemplo : passar mais tempo com a família e amigos, ou ficar sózinho para refletir sobre a própria vida. Dedicar-se à livros inspiradores. Andar descalço. Ouvir música. Dançar. Fazer o bem. Apostar nos sonhos, planejando o primeiro passo para realizá-los. É nessa simplicidade que trocamos o negativo pelo positivo e isso faz muita diferença. Quando gastamos um tempinho olhando prá dentro, desenvolvemos a força necessária para enfrentar o que acontece no mundo lá fora. Sem medo, sem ilusões e com mais equilíbrio.

Mal humorados e chatos

Chega à ser irritante a atitude de quem se assume como mal humorado e ríspido, e confere à si próprio o direito de atacar quem estiver por perto, sempre com a justificativa de que ‘eu sou assim mesmo’. Ora, a convivência pessoal, seja entre amigos ou no trabalho, pressupõe respeito mútuo e boa educação, no mínimo. Ninguém é obrigado à aceitar cara feia, desprezo ou grosseria de quem quer que seja. Quem tem questões pessoais mal resolvidas deve procurar ajuda, e não achar que por conta desses problemas tem o direito de destratar seu próximo. Quem convive com alguém assim, pode tentar ajudar por meio de uma conversa franca, mas principalmente, deve tomar cuidado para não se contaminar por essa energia negativa e altamente destrutiva.

Reencontro

Os dias repletos de desencontros, mal entendidos e discussões fazem parte da vida de todos os mortais, e às vezes se repetem numa frequência irritante. Surgem de forma surpreendente, ou enviam sinais que nem sempre são notados. Mas cada um tem seu jeito de lidar com esses dias, seja no bar ou por orar. Eu, por exemplo, revisito o meu passado. Vou aos lugares onde morei, casas hoje quase irreconhecíveis depois de tantas reformas através dos anos. Ouço músicas que embalaram sonhos lindos e impossíveis. Visito tias que ainda distribuem aquela alegria que me fortalece, o carinho que me falta, e a paz que me equilibra. Nesses dias, relembro passagens da infância e adolescência, fatos que me levam do presente imprevisível e angustiante para momentos conhecidos e repletos de boas lembranças. São refúgios de onde volto mais próximo de mim mesmo. Esse reencontro pessoal é um religar, e então a energia flui, e a força se restabelece. O ideal é fazer desse reencontro uma jornada diária, seja qual for o caminho que cada um escolhe para isso. Só assim é possível manter-se conectado com quem realmente vale a pena : a gente mesmo.