Chega de culpa

A culpa é nossa companhia mais constante. Olhamos para nossos filhos e ela está lá (sempre achamos que poderíamos ter sido pais melhores), relembramos o passado e ela aparece nas fotos antigas, pensamos no futuro e ela faz um aceno, nos concentramos no presente e a vemos ao lado. Sentimos culpa por quem somos e por quem deixamos de ser. Sentimos culpa pelo que conquistamos e por aquilo que sabemos que nunca será nosso. Sentimos culpa pelos amores que conquistamos e pelos desamores que ficaram pelo caminho. Sentimos culpa por algo que fizemos sem culpa e sentimos culpa por nos culparmos. O que é a culpa ? Os dicionários ensinam que culpa é a responsabilidade por um mal causado a outra pessoa, ato repreensível ou criminoso, pecado. Certo. Mas vamos analisar esse sentimento com um olhar holístico, mais completo. A culpa é um sentimento nem sempre justificado por fatos, mas por uma percepção arraigada. Em outras palavras, a culpa pode ser criada por nós mesmos ou inserida em nosso ser por outras pessoas. E assim, mesmo que não tenhamos praticado efetivamente nenhum pecado, o sentimento está presente. A religião tem o poder de nos fazer sentir culpados, pois exige a perfeição inatingível e por não atingirmos, nos culpamos e nos culpam. Mas qual o pecado em não ser perfeito ? Alguém é ? Vamos em frente. Os pais também enchem de culpa os seus filhos ao exigirem de crianças indefesas posturas de adultos bem resolvidos; pura projeção, esperam dos pequeninos o que eles mesmos não conseguiram ser, ter e fazer. E essa cobrança acompanhará essas crianças no futuro gerando…mais culpa !!! Professores e demais autoridades também são especialistas em disseminar a culpa, pelo simples fato de que pessoas que se sentem culpadas não reagem, vivem no medo, obedecem. Aliás, instilar culpa é uma poderosa e perversa forma de manter relacionamentos doentios, onde alguém é refém da manipulação do outro que se utiliza desse subterfúgio para intimidar e exercer controle. Você deve conhecer casais que vivem assim, empresas que funcionam assim, sempre em busca do culpado do dia. Esses exemplos mostram claramente que a culpa mais comum é a culpa fictícia, a que não se justifica; existe o sentimento, mas não o fato gerador. É uma culpa inexistente, falsa, ilusória mas que causa muito sofrimento. Então, pare com isso agora mesmo ! Quando sentir a culpa cobrando o seu preço, respire profundamente e pergunte-se : eu tenho motivos REAIS para me culpar ou tudo não passa de um condicionamento ? Eu cometi um erro grave ou estou me sentindo culpado apenas por que alguém colocou isso em mim ? Não se deixe levar pelos sentimentos sem sentido. A melhor forma de se defender é através do amor por você mesmo. Aprenda a tratar-se com compaixão. Reconheça a pessoa maravilhosa que você é. Aceite que erros e acertos são os ingredientes que nos fazem únicos. Agradeça a Deus por sua história de vida, seja ela qual for. Não aceite o sentimento de culpa que é imposto por alguém ou criado por você. Caso a culpa tenha sido originada por uma atitude imprópria, procure reparar o quanto antes, peça perdão, conserte. E depois liberte a culpa e siga sua vida. Se a culpa quase sempre é uma farsa, decida-se viver em verdade.

Culpa, perdão e seguir em frente

Não se culpe. Tudo o que você fez foi o que parecia ser o melhor naquele momento. Se você não fez algo que deveria ter feito, certamente teve motivos para isso. Talvez você estivesse vivendo um período de pouca consciência, de baixa percepção, mas isso é próprio do ser humano, então não seria justo se culpar. Talvez você sinta culpa porque alguém disse que você errou. Ser acusado é muito triste, mas não significa que a pessoa que te julga esteja certa, na verdade, quem te acusa não deveria ter o poder de te abater emocionalmente. Será que essa pessoa nunca cometeu um deslize ? Pode apostar que sim. Os pais, as religiões, os amigos invejosos, os chefes, os colegas de trabalho ardilosos, todos nos repreendem, nos reduzem, nos fazem sentir culpados, inadequados, errados. Será que a culpa que você sente foi introjetada por alguém do seu relacionamento ? Entenda : o que parece certo hoje pode se mostrar algo não tão bom amanhã. A vida é mudança constante. Então não seria justo se culpar por uma situação além do seu controle que se alterou, não é verdade ? Os seus valores, suas escolhas, seu conhecimento estão sempre mudando. Ninguém é hoje a mesma pessoa que foi ontem. Deixe o passado no passado, olhe para o que você fez como aprendizado. Olhe com generosidade e amor por sua história. Se quiser pedir perdão, faça isso ainda hoje. Essa atitude faz a culpa evaporar. E se precisar perdoar alguém, faça isso ainda hoje. Perdoar deixa a alma mais leve. Se a sua culpa é com Deus, peça perdão, alivie o seu coração. Quando um lindo vaso de vidro se quebra, de que adianta ficar descalço sobre os cacos, chorando e lamentando ? Isso só nos machucaria, nos faria sangrar e impediria de continuarmos nossa caminhada. Prender-se à culpa é o mesmo que ficar pisando em cacos de algo que se quebrou. Junte os cacos e busque novos vasos. A culpa suga a vida e a vida já é curta demais. Levante a cabeça, descubra o amor e volte à viver. Não se culpe, mas aceite a sua humanidade. Deus não espera perfeição. Não queira ser mais exigente que Ele.

Pensar e sentir

Quando aparecer um pensamento negativo como medo, culpa, insegurança ou arrependimento, pense rapidamente em algo que te faça bem ou em alguma situação de felicidade vivida recentemente. É simples assim : substitua o negativo pelo positivo. Não caia na tentação de ficar remoendo problemas e preocupações : isso não resolve, suga a sua energia e contamina o seu organismo. Entenda que emoções e sentimentos começam com um pensamento. Leia novamente a frase anterior. Entendeu ?Pensamentos geram emoções equivalentes. Portanto, pensar em felicidade, confiança, fé e amor, gerará essas emoções e sentimentos; valorizar problemas, preocupações e imperfeições, apenas sufocará a sua alegria de viver. Mesmo diante de adversidades, preserve os seus pensamentos e o seu coração : isso renovará suas forças para enfrentar os obstáculos. Não é fácil, mas é possível, e vale muito a pena. Você tem o poder de escolher o que deseja sentir, e isso depende do que você escolhe pensar. Lembre-se dessa informação à cada instante, selecione os seus pensamentos e experimente a plenitude da vida.

Oportunidades perdidas

Oportunidade perdida é coisa que dói. Mas também é doloroso analisar a oportunidade que não apareceu. Oportunidades aparecem ou são construídas ? Quantas vezes ao dia você pensa no que ‘quase’ deu certo na sua vida ? Aquela pessoa que você poderia ter conquistado ou conquistou e perdeu, a oportunidade de trabalho que por pouco não aconteceu, aquela sua ideia que se tivesse saído do papel teria sido um sucesso, a palavra que deveria ter sido dita mas você preferiu calar..Oportunidade perdida sempre vem acompanhada de arrependimento, e a oportunidade que não existiu nos instiga à refletir sobre a nossa responsabilidade nisso. Nesse mundo repleto de informações e possibilidades é fácil nos esquecermos do que realmente queremos, aquilo que devemos focar e perseguir. Aí ficamos confusos, não aproveitamos e muito menos construímos oportunidades que poderiam resultar em conquistas importantes. Vamos romper esse ciclo de frustração ? Descobrir o que faz o coração vibrar ou atende alguma necessidade pessoal são indicadores do sentido à se tomar na vida. Depois, é preciso se comprometer com isso, sem distrações pelo caminho, bem como ter a coragem de assumir o que se quer. O esforço valerá a pena, porque oportunidades concretizadas renovam as energias e atraem prosperidade e felicidade. As oportunidades não escolhem, elas são escolhidas. E o poder de escolher está em suas mãos.

Você não tem culpa

De todos os fardos que carregamos pela vida, um dos mais pesados e inúteis é o sentimento de culpa. E fazemos questão de contaminar com a culpa os nossos pensamentos, sentimentos, desejos e atitudes. Sentimos culpa por ser o que somos, ou por não ser o que gostaríamos, ou por não mostrarmos o que verdadeiramente somos. Sentimos culpa quando magoamos alguém, mas quando alguém nos fere também nos sentimos culpados por não termos respondido à altura para nos protegermos. Sentimos culpa nos relacionamentos, na forma que criamos os filhos e em como convivemos com nossos pais. Sentimos culpa por não praticarmos uma atividade física, mas quando começamos à praticar bate aquela culpa porque poderíamos estar utilizando esse tempo para trabalhar mais. Se estamos sem dinheiro nos culpamos, e tem muita gente que tem dinheiro e sente uma ponta de culpa quando olha para as dificuldades dos outros à sua volta. Sentimos culpa por não termos tempo livre, e quando temos, nos culpamos com a ideia de que estamos desperdiçando o tempo. A culpa pode aparecer por estarmos tristes ou alegres, por estarmos sozinhos ou num relacionamento, por estarmos na rotina diária ou viajando pelo mundo. Temos culpa de não sentir culpa ! A culpa, essa cobrança excessiva e sem sentido, paralisa, sabota. Quando alguma coisa desagradável acontece, a pessoa já olha para isso não como algo normal, mas como uma condenação por algo que ela tenha feito, e sente-se culpada ! Percebeu a irracionalidade da culpa ? Ninguém merece viver com essa faca no pescoço. O primeiro passo é tomar consciência de que se não agirmos contra, a culpa dominará a nossa vida. O fundamental é nos aceitarmos, não como sinal de passividade, mas como respeito próprio. Temos virtudes e defeitos, erramos e acertamos. As escolhas que fazemos são as que deveriam ser feitas. Se houver alguma consequência, pelo menos aprenderemos, o que mostra que a escolha foi acertada ! Ajuda também olhar a vida de maneira mais leve, tirando o peso das decisões, atitudes e palavras. Quando bater o sentimento de culpa, questione : “mas por que eu estou me sentindo culpado por isso ? Eu tenho mesmo alguma culpa nisso ? Essa situação é motivo de culpa ?”. E lembre-se : a culpa sem sentido, não vem de Deus. Pode acreditar nisso. Sem culpa !