Desprezo aos partidos políticos

O mesmo estudo divulgado pela Folha nesse domingo dia 21, que indica o aumento da rejeição dos brasileiros ao PT, mostra também que ocorreu uma queda acentuada no número de simpatizantes dos partidos políticos : de 44,43% em 1997 para 29,20% em 2014. Esse cenário reflete o desprezo dos cidadãos pelas siglas partidárias, consideradas farinhas do mesmo saco da corrupção e abrigo dos poderosos que atuam em causa própria.

Por mais justa e legítima que seja essa visão da sociedade em relação aos partidos, ela é perigosa. Afinal, a democracia se constroi num sistema político onde os partidos são fundamentais para a multiplicidade de idéias e representatividade dos cidadãos. Não existe democracia sem partidos políticos. E para melhorar a qualidade dos partidos que aí estão é preciso que o cidadão faça mais do que apenas reclamar e criticar os políticos e seus desmandos, é necessário agir. Quando pessoas de bem começarem a ocupar de forma mais consistente os espaços nas estruturas partidárias, a coisa pode começar a mudar. Enquanto pessoas de bem continuarem se afastando da vida política, o caminho estará aberto para corruptos, incompetentes e aproveitadores.

Cresce rejeição ao PT

A Folha traz hoje matéria sobre o aumento dos que se consideram antipetistas. Essa rejeição seria de 11,44%, número maior até do que a soma dos que declaram simpatia pelo PSDB e PMDB. Mas acho que a tragédia petista é ainda maior.

Os números são de 2014, quando boa parte da população não fazia idéia dos descalabros econômicos e políticos que estavam sendo praticados pelo governo do PT com o único objetivo de ganhar as eleições daquele ano. Também em 2014 a Operação Lava Jato, iniciada em março, ainda não havia mergulhado no maior esquema de corrupção na história do país, no qual participaram figuras ilustres do PT e seus comparsas de outros partidos. As classes sociais menos favorecidas, redutos eleitorais históricos do partido, também tem sido contagiadas pelo sentimento antipetismo, pressionadas pela inflação e o desemprego dos últimos meses.

Por tudo isso, é razoável acreditar que o número de pessoas que odeiam o PT é hoje ainda maior e crescente. Que a insatisfação seja o estopim de importantes mudanças.

Política e cidadania

Já faz um bom tempo que a POLÍTICA nacional é destaque nas páginas POLICIAIS. Isso é ótimo pois revela um golpe na impunidade, criminalizando os poderosos que se consideram acima da lei. Mas um efeito colateral é a imagem que fica da própria política, a percepção negativa que a sociedade adota em relação à essa ciência de governança de uma Nação. A política é o meio pelo qual são atendidos os anseios dos cidadãos por saúde, educação, segurança, infraestrutra etc. Essa função social só não se cumpre quando agentes políticos fazem mau uso desse meio. E por que são tantos os corruptos eleitos ? Porque o eleitor não se interessa pelo tema, na verdade, são muitas as pessoas que batem no peito e dizem : ‘eu não quero saber de política, não gosto. Política é coisa de bandido !’ E assim os bandidos vão se perpetuando no poder eleitos por esses mesmos eleitores desavisados. Da mesma forma que não seria lógico condenar toda a medicina por culpa de médicos negligentes, não faz sentido enxovalhar a a arte política por causa dos políticos corruptos. É necessário limpar a política através do voto. Mas para isso é preciso que pessoas de bem assumam de fato o seu papel em prol das mudanças que tanto pregam. É fácil ficar reclamando do governo e da corrupção. Passa uma boa imagem demonstrar conhecimento sobre as etapas da Operação Lava Jato. Mas esse discurso bonito nada representa e a passividade só mantem as coisas como estão. E quem não ajuda à mudar, não tem o direito de reclamar depois.