Oração

Senhor, ajuda-me à entender que eu não devo esperar nada das pessoas que amo,
portanto, não devo viver para elas e nem por elas, apesar do amor,
e assim sendo, devo aprender à esperar somente em Ti e em mim.
Peço que refreie a minha boca quando eu desejar compartilhar a minha experiência de vida na intenção de ajudar, ninguém aceita opiniões sem se sentir ofendido.
Guarda a minha língua de mostrar o que eu sinto e no que acredito. Que eu não desabafe as minhas dores nem com quem diz que me ama, essas serão as primeiras à me atacar com o que à elas confidenciei.
Desperte em mim o autodomínio para que eu resista à tentação de acreditar piamente em quem comigo convive.
Abençoa-me com perspicácia para não cair nas armadilhas ardilosamente preparadas por quem me rodeia.
E perdoa-me por acreditar que eu serei tratado da mesma forma que trato as pessoas.
Livra-me do medo de não ser aceito, que me faz mendigar atenção e carinho.
Afasta de mim o pensamento de que eu sou um fardo para os outros, que faz com que eu viva pedindo desculpas por existir.
Derrama em mim seu Espírito Santo para que eu não me sinta abatido com as atitudes de traidores e manipuladores, e que eu não queira ser igual ou pior que eles.
Cuida do meu coração e da minha mente para que eu não acredite nos que dizem que eu não tenho valor.
Que eu aceite a felicidade como o que ela é : um dom que o Senhor confere à todos os seus filhos.
Que eu aceite a paz, o respeito próprio, e a dignidade.
Que eu aceite ser quem eu sou.
E perdoa-me quando eu acredito que é possível agradar à todas as pessoas.
Amém !

Amor, carinho e muitas dúvidas

Dia desses uma amiga lamentava a situação atual do seu casamento de 24 anos. Ela dizia em relação ao marido :’a gente se dá bem, nos respeitamos, não existem brigas. Ele é um homem muito bom, mas simplesmente acostumamos um com o outro. Eu sinto a vida passando e essa mesmice me faz mal. O que eu sinto pelo meu marido é carinho, e não mais amor”. De todo o desabafo, confesso que essa última frase me fez pensar : “sinto carinho e não mais amor”, e vou explicar porque. Carinho é uma demonstração de amor, é a forma de vivenciar e praticar o amor. Isso significa que se existe carinho deve existir também amor, certo ? Depende. É comum o uso do termo ‘tratar com carinho’ em vários sentidos como : se relacionar com educação, tratar alguém com respeito, prestar ajuda. Essas atitudes denotam sim uma forma de amor ao próximo, mas não o amor romântico, que une os apaixonados. Por outro lado, é natural que com o passar do tempo ocorra no casamento uma transformação nesse amor, o que não significa que ele desapareceu, ou que uma separação seja a solução. Certas pessoas confessam não terem conhecido o amor intenso, visceral no relacionamento, apesar de casadas e vivendo satisfeitas, ou conformadas. São situações onde não existe certo ou errado e muito menos respostas prontas. Na história da minha amiga, será que o amor acabou mesmo ou ela que não se deu conta de que o amor maduro é naturalmente mais sereno mas nem por isso está condenado à ser rotineiro e sem sentido ? Existe aí apenas um desejo de aventurar-se ? Ou será que chegou mesmo o momento dela assumir um novo caminho, sozinha ou com outra pessoa, com a certeza de que nunca é tarde para recomeçar ? Diante desses conflitos que demandam entendimento para aceitar ou coragem para mudar, o auto conhecimento pode indicar a opção mais adequada. O que deve guiar a reflexão em cada caso é a busca consciente e honesta pela felicidade e pela paz interior.